SOMOS O QUE O CÉREBRO DETERMINA

 

Operário americano teve barra de metal atravessada em cérebro, em 1848, e mudou temperamento
Phineas Gage não passou por qualquer cirurgia, perdeu o olho esquerdo e teve a parte frontal do cérebro totalmente comprometida
Renato Grandelle
17/08/2012 - 23:47


RIO - Parte do tratamento para casos como o de Eduardo Leite tem Phineas Gage como referência. Não se trata de um pioneiro da neurocirurgia — ao menos não no mundo acadêmico. Gage, como Leite, era um operário. Em 1848, ele se dedicava à abertura de novas estradas de ferro no Leste dos EUA. Aos 25 anos, à frente de uma equipe de funcionários, ele abria ferrovias fazendo furos profundos em rochas e enchendo-os com dinamites. Mas, num dia de trabalho em setembro daquele ano, um fusível ficou fora do lugar, e uma explosão fez uma barra de 20 centímetros entrar sob a bochecha esquerda de Gage, sair pelo topo de seu crânio e cair a cinco metros dali.

Não se sabe se Gage perdeu a consciência naquele momento. Mas, poucos minutos depois, e para espanto de seus colegas, ele conseguiu andar 1,2 quilômetro até o posto médico mais próximo. O operário não passou por qualquer cirurgia. A abertura em seu crânio foi coberta por fitas adesivas e uma compressa.

Gage perdeu o olho esquerdo e teve a parte frontal do cérebro totalmente comprometida — o que, para os cientistas, queria dizer pouco (ou nada) naquela época.

— Pensava-se que o córtex frontal não tivesse uma função — explica Cristiano Milani, coordenador do Departamento Científico de Neurorreabilitação da Academia Brasileira de Neurologia. — Na verdade, ele é uma ligação de praticamente todas as regiões. Comportamento, execução do raciocínio, inteligência, vontade, memória, tudo tem associação com o córtex frontal.

Gage foi o primeiro a mostrar aos médicos a importância da área afetada. Suas mudanças de comportamento tornaram-no um estudo de caso. O operário, quando voltou ao trabalho, nunca mais reconquistou a liderança de seu grupo. Antes dedicado, Gage, em sua versão pós-acidente, era “agitado, irreverente, entregando-se às vezes à mais grosseira profanação”, como descreveram seus patrões. Era incapaz de aceitar conselhos ou de ver suas vontades contrariadas. Os próprios colegas diziam que aquele com quem trabalhavam “não era mais o Gage”.

Boa parte de sua trajetória tornou-se especulação. Sabe-se que ele, infeliz na ferrovia, procurou emprego em outros estados americanos. Gage trabalhou, inclusive como cocheiro, e teria se apresentado como atração circense em Nova York. Não deu certo na função e trocou seu país pelo Chile, onde morou por sete anos. De volta aos EUA, foi morar com a mãe em São Francisco em 1859, quando sua saúde já estava se deteriorando. Morreu no ano seguinte, aos 36, supostamente por complicações depois de uma crise convulsiva. Não foi realizada uma autopsia em seu cérebro.

— Recomenda-se uma avaliação neuropsicológica para casos de lesão no córtex frontal — diz Milani.

<https://oglobo.globo.com/rio/operario-americano-teve-barra-de-metal-atravessada-em-cerebro-em-1848-mudou-temperamento-5829182>
 

O caso de Gage exemplifica bem que somos o que está determinado no nosso cérebro. 

 

Ver mais   CIÊNCIA

..

.