FERROVIAS, UM BOM EXEMPLO DE PRIVATIZAÇÃO

 

Edição do dia 06/06/2018
06/06/2018 21h20 - Atualizado em 06/06/2018 21h21
 

Greve dos caminhoneiros expõe o quanto o país abandonou as ferrovias
Decadência começou quando ferrovias foram privatizadas no fim dos anos 90. Centro-Oeste de SP já teve o maior entroncamento ferroviário do país.
 

Quando se vê o estrago que a greve de caminhoneiros deixou na economia do Brasil, é muito comum lembrar que o país abandonou as ferrovias, e como esse erro saiu caro.

É um cenário desolador. Em Bauru, milhares de vagões, pedaços de locomotivas e restos de carcaças de trens enferrujam sobre os trilhos. A água da chuva se acumula nos vagões que viraram criadouros do mosquito da dengue.

"Eu peguei dengue e minha esposa pegou antes de mim. Aconteceu também com a minha mãe, com meus avós, tudo na mesma época", conta o microempresário Richard Tenedine.

Em Avaí, há mais de um ano, a linha férrea está sendo engolida por uma enorme erosão. O transporte nesse trecho está interrompido.

O Centro-Oeste paulista já teve o maior entroncamento ferroviário do país. Por Bauru passavam as ferrovias Paulista e Sorocabana, que ligavam o interior ao Porto de Santos. Já a Noroeste do Brasil, com mais de 1.600 quilômetros, interligava o estado de São Paulo à Mato Grosso do Sul. A Noroeste, fazia também, a integração do Brasil com os países vizinhos.

A decadência do setor começou no fim da década de 1990, quando as ferrovias foram privatizadas e passaram pelas administrações de várias empresas e grupos. Desde de 2015, a Rumo Logística administra o trecho paulista. A concessão vai até 2028. A Agência Nacional de Transportes Terrestres já aplicou 97 penalidades contra ela por descumprimento de cláusulas do contrato. De acordo com o Sindicato dos Ferroviários, a empresa não cumpriu as metas de investimentos no setor.

"Daquilo que foi privatizado, 60% da malha ferroviária está abandonada. É o nosso caso”, diz Roberval Duarte Place, coordenador-geral do Sindicato dos Ferroviários.

 

A Rumo Logística afirma que investiu mais de R$ 6 bilhões em equipamentos e novas tecnologias, e que pretende ampliar a capacidade da malha paulista em 150%. Disse ainda, que os vagões mostrados estão devidamente alocados em área operacional da ferrovia, aguardando destinação, que toma todos os cuidados para evitar transtornos à população, e que o excesso de chuvas provocou a erosão no trecho em Avaí, onde não há circulação de trens, segundo a empresa, por falta de contratos comerciais.

"Ficamos com trens só para transporte e em linhas rentáveis. Aquelas que não eram, como não teve nenhum incentivo, nenhuma estratégia, foram abandonadas", explica o economista Reinaldo Cafeo."

<http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2018/06/greve-dos-caminhoneiros-expoe-o-quanto-o-pais-abandonou-ferrovias.html>

 

Aí está um exemplo do que foi dito o artigo PRIVATIZAR É RUIM:

"Com a privatização, uma empresa pode se negar a oferecer determinado serviço importantíssimo em determinada localidade por causa de sua baixa viabilidade econômica. Logo, até os brasileiros com recursos podem ser prejudicados pela falta de serviços."

 

Ver mais POLÍTICA BRASILEIRA

 

..

.